Publicado em

Escolhemos As Vidas Que Vivemos

Escolhemos As Vidas Que Vivemos

“Eu fui uma vez uma mãe com doze filhos. Ignorante em termos de educação, longe de ser bela, particularmente em anos posteriores, com um temperamento selvagem e voz rouca. Isto foi cerca de Jerusalém no século VI. As crianças tinham muitos pais. Eu fiz o meu melhor para prover para elas.

“Meu nome era Marshaba. Vivíamos onde podíamos, agachados nas entradas e, finalmente, todos mendigando. No entanto, nessa existência, a vida física tinha um contraste, uma nitidez maior do que qualquer outra que eu conhecera. Uma crosta de pão era muito mais deliciosa para mim do que qualquer pedaço de bolo, por mais glacê que tivesse tido em vidas anteriores.

“Quando meus filhos riam, sentia-me encantada e, apesar das nossas privações, todas as manhãs era uma surpresa triunfante ver que não morremos durante nosso sono, que não tivéssemos sucumbido à fome.

“Eu escolhi essa vida deliberadamente, como cada um de vocês escolhe cada uma de suas vidas, e eu fiz isso porque minhas vidas anteriores me deixaram muito blasé. Eu estava muito almofadado. Eu não mais focava com clareza sobre as verdadeiras delícias físicas espetaculares e experiências que a terra pode fornecer.

“Embora eu gritasse com meus filhos e berrasse às vezes de raiva contra os elementos, fiquei impressionada com a magnificência da existência e aprendi mais sobre a verdadeira espiritualidade do que jamais fiz como monge. Isso não significa que a pobreza leve à verdade, ou que o sofrimento seja bom para a alma. Muitos que compartilhavam essas condições comigo aprenderam pouco. Isso significa que cada um de vocês escolhe as condições de vida que você tem para o seu próprio propósito, sabendo de ante-mão onde suas fraquezas e forças estão.

“Na composição da minha personalidade, conforme, em seus termos, eu vivi vidas mais ricas depois, aquela mulher esteve viva novamente em mim —como, por exemplo, a criança está viva no adulto e cheia de gratidão comparando circunstâncias posteriores com as existências anteriores . Ela me incentivou a usar melhor as minhas vantagens.”

~ SETH [Seth fala, Sessão 589]

FONTE: Kanye West diz que 400 anos de escravidão foram uma escolha

Publicado em

Intenção Consciente

Intenção Consciente

“Em seu sistema de realidade, as outras criaturas não podem deixar de agir com boa intenção, mesmo que sua intenção seja matar suas presas. Devido a muitas razões dadas em todo o material, a humanidade tirou-se fora desse contexto.”

“Aparentemente, ela desistiu de uma certa identificação com a natureza e, como resultado, ela finalmente chegará a apreciá-la de um ponto de vista completamente diferente. Ela aprenderá a ser “conscientemente” bem-intencionada. Ela procurará conscientemente o seu próprio bem, não à custa dos outros, pois ela perceberá que não pode alcançar nenhum bem dessa maneira.”

“Você não pode matar um galinha, pessoalmente, e comê-la confortavelmente. Você certamente não pode matar uma vaca, sozinho. Você sabe que os matadouros são cruéis, que os animais não são mortos limpa e rapidamente e, em certa medida, o desassossego psíquico desses animais É consumido com sua carne.”

“Quando o homem aprender a se aproximar de um ambiente psicologicamente bem-intencionado, ele estará seguindo a natureza inerente de todas as realidades.”

~ SETH [As Sessões Pessoais, Livro 4, Sessão 9/ago/78]

Publicado em

A Mensagem de Cristo Foi Que Cada Homem É Inerentemente Bom

A Mensagem de Cristo Foi Que Cada Homem É Inerentemente Bom

“A mensagem de Cristo foi que cada homem é inerentemente bom, e é uma parte individualizada do divino — e ainda assim uma civilização baseada nesse preceito nunca foi tentada. As vastas estruturas sociais do cristianismo baseavam-se, em vez disso, na natureza “pecaminosa” do homem — não nas organizações e estruturas que o permitissem tornar-se bom ou obter a bondade que Cristo claramente percebeu o homem já ser possuído.”

~ SETH [A Natureza dos Eventos de Massa, Sessão 829]

Publicado em

A Idéia de Uma Alma Gêmea

A Idéia de Uma Alma Gêmea

Como encontramos uma alma gêmea? Qual é o relacionamento ideal? Respostas no vídeo.

Produtos de Interesse

Publicado em

Somente Pessoas Felizes Criam Realidades Felizes

Somente Pessoas Felizes Criam Realidades Felizes

“Não é o seu papel fazer os outros felizes; é o seu papel manter-se em equilíbrio. Quando você prestar atenção em como você se sente e praticar pensamentos de auto-fortalecimento que se alinham com quem-você-realmente-é, você vai oferecer um exemplo de prosperidade que serão de enorme valor para aqueles que têm o benefício de te observar.”

“Você não pode ficar pobre o suficiente para ajudar pessoas pobres prosperar, ou doente o suficiente para ajudar os doentes a ficarem bem. Você somente pode elevar outros da sua posição de força e clareza e alinhamento.”

~ Abraham

Se pensarmos bem, isso faz total sentido, embora possa parecer egoísmo para algumas pessoas. Mas, a menos que sejamos felizes, não vamos nunca conseguir fazer nenhuma outra pessoa feliz. Então, a nossa primeira e principal obrigação é conosco mesmo. Muitos se casam, ou têm filhos, porque são infelizes e acham que a presença de outras pessoas em suas vidas irão trazer a felicidade que buscam, mas com o tempo descobrem esse grande engano, porque realmente ninguém consegue fazer os outros felizes — somos todos seres imperfeitos — e somente nós mesmos podemos fazer isso por nós mesmos. É somente quando somos felizes que conseguimos contribuir com a felicidade alheia, em primeiro trabalharmos na nossa própria. Somente pessoas felizes criam relacionamentos felizes. Portanto, temos que entrar na energia da felicidade (do bem estar, da alegria, do contentamento) para que atraimos mais felicidade. Temos que nos sentir já vivendo-a e assim será.

Publicado em

As Vidas Passadas de Seth, O Mestre Original de Lei da Atração

As Vidas Passadas de Seth, O Mestre Original de Lei da Atração

Não é meu propósito entrar em minhas existências passadas em qualquer grande detalhe, mas usá-las para fazer certas observações. Em primeiro lugar, fui muitas vezes homem e mulher, e imergi em várias ocupações, mas sempre com a idéia de aprender de forma que pudesse ensinar. Tive um histórico firme de existência física, portanto, como um pré-requisito para meu “trabalho” atual.

Não atuei no papel de qualquer personalidade muito importante, de nota histórica, mas me tornei experiente nos detalhes agradáveis e íntimos da vida diária, na luta normal para a realização, na necessidade do amor. Aprendi o anseio indescritível de pai pelo filho, filho pelo pai, marido pela esposa, esposa pelo marido, e caí impetuosamente nas teias íntimas das relações humanas. Antes de sua idéia de história, eu era um Lumânian, e depois nasci na Atlântida.

Usando sua referência histórica, voltei no tempo do homem das cavernas, operando como um Orador.  Agora, sempre fui um Orador, a despeito de minha ocupação física. Fui um comerciante de temperos na Dinamarca, onde conheci Ruburt¹ e Joseph. Em várias vidas fui negro – uma vez, no que agora é chamado de Etiópia, e uma vez na Turquia.

Minhas vidas como monges seguiram minha experiência como papa, e em uma destas, fui uma vítima da inquisição espanhola. Minha experiência em vidas femininas variou de uma solteirona holandesa comum a uma cortesã no tempo do Davi bíblico, para várias existências como uma humilde mãe de crianças.

Agora, quando comecei a contatar Ruburt¹ e Joseph, escondi deles o fato de minhas numerosas vidas.  Ruburt¹, em particular, não aceitava a reencarnação, e a idéia de tais experiências de vida múltiplas seria altamente escandalosa para ele.

Os tempos, nomes e dados não são tão importantes quanto as experiências, e elas são muito numerosas para listar aqui. Porém, cuidarei disto em algum momento em que estas estiverem completamente disponíveis.  Algumas foram dadas nas sessões da classe de Ruburt¹, e algumas, embora poucas, apareceram no próprio Material de Seth.

Em um livro sobre reencarnação, espero ter cada uma de minhas personalidades prévias falando por si mesmas, pois elas devem contar suas próprias histórias. Então, você deve  entender que essas personalidades ainda existem e são independentes. Embora o que eu seja uma vez pareceu estar contido nestas personalidades, fui apenas a semente para elas. Em seus termos, posso me lembrar de quem fui; em termos mais amplos, porém, estas personalidades deviam falar por si mesmas.

Talvez você veja uma analogia aqui quando comparar a situação com a regressão de épocas sob hipnose. Porém, essas personalidades não estão trancadas dentro do que sou. Elas progrediram de acordo com seu próprio modo. Elas não estão negadas. Em meus termos, elas coexistem comigo, mas em outra camada de realidade.

Em várias vidas eu estava conscientemente ciente de minhas “existências passadas.” Uma vez, como um monge, me achei copiando um manuscrito que eu tinha escrito em outra vida.

Freqüentemente fui dado ao amor pelo peso, e o possui. Duas vezes, morri de fome. Sempre achei minhas mortes altamente educativas — em seus termos, depois. Sempre foi uma lição entre vidas, localizar os pensamentos e eventos que “conduziram a um determinado falecimento”.

Nenhuma de minhas mortes me pegou de surpresa. Eu sentia durante o processo, a inevitabilidade, o reconhecimento, até mesmo um senso de familiaridade: “Claro, esta morte particular é minha e de nenhum outro”. E aceitei até mesmo as circunstâncias mais estranhas, sentindo quase uma espécie de perfeição. A vida não poderia ser terminada corretamente sem a morte.

Há um grande senso de humildade e, ainda, um grande senso de exaltação quando o eu interior sente sua liberdade quando a morte acontece. Todas as minhas mortes foram o complemento de minhas vidas, nisso parecia a mim que não poderia ser o contrário.

Se eu escolher, em seus termos, eu posso reviver qualquer porção dessas existências, mas essas personalidades seguem a seus próprios caminhos.

~ SETH – Seth Fala: A Eterna Validade da Alma, Capítulo 22, Páginas 352-354 [Tradução original por Luciene Lima, revisada por Chris C. Breault]

¹ Seth se referia a Jane Roberts, seu canal, pelo nome de Ruburt, conforme se chamava quando o conheceu em vida passada.

Lei da Atração e Redenção Por Um Cristo Expiatório

Publicado em

Porque Você Está Aqui

Porque Você Está Aqui

“Seu espírito se juntou com a carne e na carne, para experimentar um mundo de incrível riqueza, para ajudar a criar uma dimensão de realidade de cores e de forma. Seu espírito nasceu em carne para enriquecer uma área maravilhosa de consciência sensorial, para sentir Energia transformada em forma corpórea.

“Você está aqui para usar, desfrutar e expressar-se através do corpo.Você está aqui para ajudar na grande expansão da consciência.

“Você não está aqui para chorar sobre as misérias da condição humana, mas para mudá-las quando você as encontrar em desacordo com a alegria, força e vitalidade que há dentro de você, para criar o espírito tão fiel e lindamente quanto você pode em carne.”

SETH – A Natureza da Realidade Pessoal, Sessão 615 [Traduzido por Chris Chalreo Breault]

Livros de Seth

  1. Conversations with Seth, Book 1: 25th Anniversary Edition
  2. Conversations with Seth, Book 2: 25th Anniversary Edition (v. 2)
  3. The Early Sessions: Book 1 of The Seth Material (Seth, Seth Book.)
  4. A Seth Book: The Personal Sessions, Book 1 of the Deleted Seth Material (A Seth Book)
  5. A Seth Book the Personal Sessions Book Two of the Deleted Seth Material
  6. Seth Speaks: The Eternal Validity of the Soul
  7. The Nature of Personal Reality: Specific, Practical Techniques for Solving Everyday Problems and Enriching the Life You Know (Jane Roberts)
  8. The Nature of the Psyche: Its Human Expression (A Seth Book)
  9. The “Unknown” Reality, Vol. 1: A Seth Book
  10. The Individual and the Nature of Mass Events: A Seth Book (Roberts, Jane)
Publicado em

Eu Vivo Num Universo Seguro

UNIVERSO SEGURO: Eu Vivo Num Universo Seguro

“… cada um de vocês, até certo ponto aqui ou ali, acredita que o universo não é seguro e, portanto, você deve estabelecer suas defesas contra ele.

“… a consciência unilateral, oficial com a qual você está familiarizado, diz:”O mundo não é seguro. Năo posso confiar nele. Tampouco posso confiar na condição de experiência, ou na condição de minha própria existência; nem posso confiar em mim mesmo. …

“Você tem uma civilização inteira e mundo estabelecidos sobre as crenças que acabei de lhes dar: que o universo não é seguro; que você deve defender-se de inimigos que vêm de fora e, pior de tudo, de inimigos que estão dentro.

“E assim você realmente se sente desconfortável, e estabelece suas barreiras, e corre o mais rápido possível, de qualquer maneira dada à você, daqueles inimigos que são o resultado de um tipo de consciência oficial unilateral.

“Enquanto você acreditar que você habita num universo que é uma ameaça, você [então] deve se defender contra isso. Enquanto você acreditar que o Eu é falho, e que sua raça é condenada e perversa, você [então] também deve se defender contra si mesmo e, assim, como você pode confiar na voz da psique? …

“Você tenta dizer,”O universo é seguro”, e então você assiste as notícias na televisão, ou lê seu jornal e diz: “Que mentira é essa? Como pode o universo ser seguro quando eu leio sobre assassinato por toda parte, guerra, trapaça e ganância? …

“O estágio de uma consciência unilateral foi necessário pela razão que Ruburt¹ deu [na Política Psíquica e Aventuras na Consciência]. Mas esse estágio continha dentro de si seu próprio ímpeto. Estabeleceu desafios que não poderiam ser resolvidos naquela fase da consciência, e isso automaticamente o levaria a outras vertentes da consciência. Só então essas contradições podem fazer sentido.

“Só então você pode dizer, individualmente — e ouçam, agora: “EU VIVO NUM UNIVERSO SEGURO”.”

Conversas com Seth, Vol. 2, Capítulo 12 [Seth através de Jane Roberts, traduzido por Chris C. Breault]

¹ Ruburt era como Seth chamava e se referia a Jane Roberts

Livros de Seth (em Inglês)

  1. Conversations with Seth, Book 1: 25th Anniversary Edition
  2. Conversations with Seth, Book 2: 25th Anniversary Edition (v. 2)
  3. The Early Sessions: Book 1 of The Seth Material (Seth, Seth Book.)
  4. A Seth Book: The Personal Sessions, Book 1 of the Deleted Seth Material (A Seth Book)
  5. A Seth Book the Personal Sessions Book Two of the Deleted Seth Material
  6. Seth Speaks: The Eternal Validity of the Soul
  7. The Nature of Personal Reality: Specific, Practical Techniques for Solving Everyday Problems and Enriching the Life You Know (Jane Roberts)
  8. The Nature of the Psyche: Its Human Expression (A Seth Book)
  9. The “Unknown” Reality, Vol. 1: A Seth Book
  10. The Individual and the Nature of Mass Events: A Seth Book (Roberts, Jane)
Publicado em

Existe Papai Noel?

Existe Papai Noel?

“Deixe-me começar humoradamente dizendo que, sim,  existe um Papai Noel. Da mesma maneira que, sim, existe um Deus.

“A terra emerge. Ela é dada, como um presente para você no seu nascimento. Eis lá então, como brinquedos de Papai Noel quando você era uma criança; e você pergunta, quem deu [o presente]?

“A criança aceita a resposta de [que é um] Papai Noel por alguns anos e então fica desiludida, percebendo que o Papai Noel dos contos de Natal é um mito. Assim, em muitos aspectos, as histórias de um Deus são mitos. Mas você ainda está com um saco de brinquedos, por um lado, e a luxuosa terra do outro, e assim a questão ainda permanece.

“Minha resposta é que os mitos, à sua maneira, tentam sugerir respostas que são basicamente não-verbais, e conceitos que são eles mesmos a fonte da qual brota a terra e toda a existência.”

~ SETH – As Sessões Pessoais, Livro 2, 1972.10.13 [Traduzido por Chris Chalréo Breault]

Livros de Seth

  1. Conversations with Seth, Book 1: 25th Anniversary Edition
  2. Conversations with Seth, Book 2: 25th Anniversary Edition (v. 2)
  3. The Early Sessions: Book 1 of The Seth Material (Seth, Seth Book.)
  4. A Seth Book: The Personal Sessions, Book 1 of the Deleted Seth Material (A Seth Book)
  5. A Seth Book the Personal Sessions Book Two of the Deleted Seth Material
Publicado em

Você Não É Vítima

Você Não É Vítima

“Em meio à corrida louca, você FAZ a sua própria realidade. Eu admito que isso soa bastante simples, mas você não será pego num terremoto se você não quiser ser; e ninguém morre que não tenha decidido fazê-lo.

“Você faz a sua própria realidade — ou não. E se você não faz, então você é por toda parte uma vítima, e o universo deve ser um mecanismo acidental que aparece sem razão. De modo que a imagem miraculosa que você viu de seu corpo foi acidentalmente criada, e por algum acidente cósmico alcançou sua complexidade milagrosa. E esse corpo foi formado tão lindamente por nenhuma razão exceto para ser uma vítima.

“Essa é a única outra alternativa para formar sua própria realidade. Você não pode ter um universo no meio. Você tem um universo formado COM uma razão, ou um universo formado SEM uma razão. E em um universo de razão, não há vítimas. Tudo tem uma razão, ou nada tem um motivo.

“Então, escolha o seu lado!”

Conversas com Seth, Vol. 2, Apêndice Seis [Traduzido por Chris C. Breault]

Livros de Seth

  1. Conversations with Seth, Book 1: 25th Anniversary Edition
  2. Conversations with Seth, Book 2: 25th Anniversary Edition (v. 2)
  3. The Early Sessions: Book 1 of The Seth Material (Seth, Seth Book.)
  4. A Seth Book: The Personal Sessions, Book 1 of the Deleted Seth Material (A Seth Book)
  5. A Seth Book the Personal Sessions Book Two of the Deleted Seth Material
Publicado em

Karma & Destino

Karma & Destino

“A idéia básica do karma não é punição. Karma apresenta a oportunidade para o desenvolvimento; para fazer uso de oportunidades que não foram aproveitadas, para preencher as lacunas da ignorância, para ampliar a compreensão através da experiência, para fazer o que deve ser feito.” ~ Seth [As Primeiras Sessões, Volume 8 – Sessão 388, Página 158]

Traduzido por Chris Chalréo Breault

Vídeos em Destaque

Publicado em

🙏 Oração Viva Para Ativar a Bondade Humana

Oração Viva Para Ativar a Bondade Humana

“Uma das capacidades mais valiosas que todos nós temos como seres humanos é a nossa habilidade de nos importar com pessoas que nem conhecemos e nunca nos encontramos. Esta qualidade cativante dentro de todos nós é …” [Texto completo, com comentários, no vídeo abaixo.]

Blog do Robert Shapiro

Vídeo Mencionados